terça-feira, 28 de maio de 2013

O assassinato do afinado Galo Mauro



(Mauro Leal)

Nos galhos frágeis da goiabeira
o seu dormitório fazia,
e no crepúsculo de tão feliz que vivia,
de seu bico afiado em estrídulo e vibrante cantoria, ecoava
que os manos do recôndito da macega, simultaneamente, interagia
anunciando e agradecendo o milagre
do alvorecer de um novo, lindo e festivo dia.

Num desses ocasos matutinos de transbordante e invejável felicidade
com os seus repetitivos e incansáveis cucurucucus,
uma insensata e importunada criatura
foi assustadamente despertada
quando ainda a estrela d'alva brilhava.

De ceroula de bolinhas, meias rosinhas,
pompom na toquinha, bafo de bode, babado e remelado,
sob o denso orvalho, nas pontinhas das pantufas aveludadas,
rentinho à cobertura dos helix aspersa campeão
em surto psicótico, o ogro saiu pra o ato macabro de vassoura armado
e por cima do cucuruto um golpe cravado,
silenciou o estimado e madrugador amado.

E já à luz do dia sobre a terra sangrenta e sombria,
a covardia assombrava, decepcionava
e transformava o pacato quintal
num cenário psicopata infernal,
pois jazia com requinte de crueldade
sobre a superfície fria
o galanteador cocoricó dominador do quadrado,
espichado com a crista partida, bicos retorcidos
e com o gogó de ouro partido,

Após a cremação, em clima de total consternação,
queixos caíram pela inesperada e bombástica revelação:
deram com a língua nos dentes,
delatando o atroz, o enigmático ente.

Mesmo causando esta tão lastimável e irreparável separação,
pra evitar mais tristeza e desilusão,
foi em consenso pelos afins relevado,
muito embora no delito anão enquadrado,
teve sua sevícia vista por grossas vistas, e perdoado,
e no profundo mar do esquecimento seu ato lançado.

         (Mauro Leal)
Veterano Fuzileiro Naval
        Escritor e Poeta
...................
Parabéns Veterano
AD SUMUS!

Um comentário:

Maurinho disse...

MAURO LEAL, FUZILEIRO NAVAL