terça-feira, 4 de junho de 2013

A Saga de Um "Saco Muchiano"

Nossa Associação Esportiva Saco e Maca (O popular "Saco Mucho") em prosas e versos do Escritor e Poeta Veterano Mauro Leal. O título acima foi ideia do Blog, o real é 'FATO'.
Fato 
(Mauro Leal)

Um certo homem vivia à família a aterrorizar 
dizendo que era o tal e insistia em entristecer e abalar:
- Vocês vão vê, vou de "Saco e Maca" pra o arquipélago dos Abrolhos, 
vou de todos esquecer, 
e la não tem jeito de ninguém o "Saco Mucho" encher 
pois o acesso é tão difícil que o navio não pode atracar 
e é da embarcação que a aeronave decola para às ilhas alcançar,



Os meses foram passando, 
e na noite eletrizante de sábado de carnaval
em telefonema precário com a "dona encrenca", 
a quem muito sofrer o coração fazia, 
percebeu ao fundo uma enorme euforia 
nos acordes do reco-reco, pandeiro, cavaco, tamborim, cuíca e bateria
e ela no rodopio dizia:
- "Mor" rola um ensaio para meter o pé 
na Avenida, no Arregaça, Bola Preta, Cacique de Ramos, 
bafo da onça, Galo da madrugada, 
Encosta que ele cresce e no Vai quem quer. 

Ele endoidecido na ilha que nada tinha de fantasia, 
ficou se imaginando na coroação de viking, 
pois a foliã, a graciosa mulher, excitada vibrando dizia: 
- Estou linda de morena índia potira no paetê colorido brilhante, 
com apito, salto alto, penacho e biquíni e tanga camuflada curtinha, 
tirando suspiros e gritos nos requebradinhos nas pontas dos pés.

Enquanto ela no maior astral, bronzeada, tatuada
com piercing de figa no umbigo e as pernas saradas
se perfumando e se aquecendo pra rebolar na festa carnal,
ele esperneava na onça, no bafo da pinga passando mal, 
querendo se jogar nas águas frias entre as feras do mar
para impedi-la de na folia se acabar. 

Em sua alucinação e desolação, 
a guarnição tinha dó, e era consolado e aconselhado à calma voltar,
pois um AVC poderia sofrer e sem ter como a situação reverter.


Fica a dica estressados cidadãos à alma feminina não subestimar,
em especial a mulher que prometeu no altar
na alegria ou na tristeza amar,
fiquem esperto e aprendam a lição,
se não vai chorar lágrimas
de arrependimento no fétido, surrado e babado colchão


Brincadeirinha gente, nada a ver com "Sacomuchiano"... 

2 comentários:

Maurinho disse...

Muito obrigado pela consideração em publicar o meu poema em seu brilhante e dinâmico Blog. Um forte abraço te desejando: saúde, felicidade e muito mais sucesso.

Maurinho disse...

Muito obrigado pela consideração em publicar o meu poema em seu brilhante e dinâmico Blog. Um forte abraço te desejando: saúde, felicidade e muito mais sucesso.