quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Esportista, chef e surfista: como viviam militares suspeitos de forjar aposentadorias por invalidez

ZH teve acesso à investigação principal do esquema de fraudes que pode ter gerado prejuízo superior a R$ 1,1 bilhão às Forças Armadas

Por: Humberto Trezzi
Ação integrada entre Polícia Federal e Forças Armadas prendeu advogado e investiga suspeitos de fraudeFoto: Polícia Federal
A sargento das Forças Armadas sofreu uma queda e conseguiu se aposentar, precocemente, por invalidez. Comparecia de muletas para fazer a perícia médica na clínica do Exército situada na Avenida João Pessoa, em Porto Alegre. O que ela não sabia é que estava sendo filmada. Foi aí que policiais federais conseguiram gravar vídeos com a jovem se exercitando em academia e correndo pelas ruas, sem qualquer indisposição.
— As muletas só eram usadas na hora da perícia — resume um delegado da Polícia Federal que atuou na Operação Reformados, desencadeada na última segunda-feira no Rio Grande do Sul. A ação desbaratou um esquema de aposentadorias fraudulentas nas Forças Armadas que pode ter gerado prejuízo de R$ 1,1 bilhão, apenas no Estado, conforme cálculo da Advocacia-Geral da União (AGU).
     A Operação Reformados é uma iniciativa conjunta do Exército, Aeronáutica e Marinha, do Ministério Público Militar, da Polícia Federal e da AGU. É a primeira etapa de anos de investigações sobre militares temporários que se licenciavam para tratamento de saúde e, posteriormente, conseguiam via judicial reintegração às Forças Armadas. Sem trabalhar, já que eles alegavam problemas de saúde e conseguiam reforma (aposentadoria), com soldo vitalício. O cálculo é de que 498 pessoas tenham se beneficiado da fraude, que seria capitaneada por advogados — os nomes dos beneficiários sob suspeita não foram divulgados.
     Um deles, Clodomiro Pereira Marques, com escritório em Canoas, é o principal alvo da operação e foi detido após ter prisão preventiva decretada pela Justiça Militar. Ex-oficial da Aeronáutica, ele se intitula especialista em Direito Militar e Previdenciário. Ele indicaria cinco médicos para que o cliente obtivesse laudos de doenças incapacitantes. A partir desses laudos, era construído um processo judicial que visava à reintegração do suposto doente às Forças Armadas, com aposentadoria por incapacidade para o serviço. Todos esses médicos são investigados pela PF, assim como os aposentados por eles.
     Zero Hora teve acesso à parte principal da investigação iniciada dentro das Forças Armadas, com os 30 maiores suspeitos de simulação de doenças. São todos militares temporários, que foram reformados (conseguiram se aposentar, recebendo vitaliciamente). Eles tiveram aposentadoria negada em decisões administrativas dos quartéis, mas apelaram para a Justiça comum e obtiveram decisões favoráveis.
     Em 18 desses casos, a alegação é de "problemas psicológicos". Dentre os transtornos alegados estão esquizofrenia, esquizofrenia paranoide e alienação mental, mas a maior parte das aposentadorias obedece à justificativa genérica "problemas psicológicos".
     Conforme as investigações, esses militares eram orientados pelos médicos a simular desleixo, depressão e até tendências suicidas, na hora de realizarem a perícia marcada pelo serviço de saúde das Forças Armadas.
     — Alguns deixavam barba e cabelo crescer, simulavam um ar ausente, não tomavam banho, usavam roupas puídas. Apenas na hora de realizar a perícia médica. Assim que passavam pela avaliação, voltavam para casa e retomavam vida normal — descreve um oficial das Forças Armadas que atuou na investigação.
     Os suspeitos foram seguidos pelos serviços secretos do Exército, Aeronáutica e Marinha. Os resultados foram repassados à AGU e à PF, que ampliou a investigação. A suspeita é de que o esquema ocorra não apenas no Rio Grande do Sul, mas em todo o país.

     Confira aqui os principais casos investigados:

     O surfista – Ex-soldado da Aeronáutica, ele alegou problemas psíquicos para conseguir a aposentadoria por invalidez. Só que foi flagrado praticando surfe, dirigindo carro de luxo, sua carteira de motorista está em dia (não há menção a problemas psíquicos no exame) e fotos nas redes sociais o exibem bebendo álcool e em festas.
     O esportista – Militar aposentado por problemas psiquiátricos, reside em Canoas e pratica esportes variados. Possui carteira de motorista, dirige carro e não apresenta histórico de problemas com a família ou discussões.
     Gerente de restaurante – Militar aposentado por problemas psiquiátricos, é gerente e chef de um restaurante, em parceria com sua mulher. É lutador de artes marciais, possui carro e dirige – apesar dos alegados problemas psíquicos.
     O médico – Suboficial da Aeronáutica, alegou problema num braço para se aposentar precocemente. Posteriormente, agregou problemas psicológicos. Após a aposentadoria, fez faculdade no Exterior e tenta validação do diploma no Brasil. Fotos nas redes sociais o mostram em festas, viagens de turismo, restaurantes, praias, sempre sorridente.
__________________
     CONTRAPONTO
      O que diz o advogado Clodomiro Pereira Marques:
     Ele ficou em silêncio ao ser preso. O seu advogado, Nedy de Vargas Marques, disse aos policiais que precisa ler a investigação antes para depois se pronunciar. Ele não foi localizado por ZH.
     ZERO HORA/sacoemaca
     Visto no Blog do montedo

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Documentos Necessários para Identificação no SIM

SERVIÇO DE IDENTIFICAÇÃO DA MARINHA
Documentos Necessários para Identificação
 – Visando proporcionar mais agilidade ao atendimento e maior segurança no processo de identificação da Família Naval, solicita-se aos usuários do Sistema de Identificação da Marinha que apresentem, por ocasião do seu comparecimento neste Serviço, nos Postos Locais de Identificação (PLIM) ou a um dos Postos Avançados de Identificação, original e cópia (não há necessidade de autenticação) da Certidão de Nascimento ou de Casamento, de acordo com o atual estado civil, o que possibilitará a correção de eventuais divergências entre os dados constantes nos referidos documentos e o Banco de Dados deste Serviço.
Com informação do BONO de 22/AGO/2017

Cura para tudo, amor e dinheiro: família faz a vida entre ervas e poções no Pará - VER-O-PESO

Yahoo Finanças
Ver-o-peso
Anderson Coelho/Agência PLANO
Por Rosana Pinheiro, da Agência PLANO
Dona Isabel Trindade da Silva, 80 anos, é erveira no mercado Ver-o-Peso há quatro décadas. Quando começou, no lugar das barracas, as poucas erveiras demonstravam os produtos em tabuleiros. “Era muito bom, tinha bastante cliente e as erveiras eram mais unidas”. O tempo passou e hoje 80 barracas se aglomeram no setor de ervas do maior mercado aberto da América Latina. São cerca de 100 pessoas trabalhando no local.
Quem se aproxima do setor escuta os chamados simpáticos dos vendedores. “Bom dia meu amor, venha ver o ‘chama marido rico’, tem ‘caído aos seus pés’, ‘chama dinheiro’”. Na década de 1970, Dona Isabel e o marido vendiam ervas em Belém e tiveram a curiosidade de estudar os princípios ativos de cada um delas em livros. Logo viram a oportunidade de oferecer produtos acabados e combinações de ervas para os clientes. “Hoje o que mais sai é o banho sete ervas, só erva cheirosa”, explica, sentada em frente às barracas 52 e 53.
A alguns passos dali, na barraca 75, o filho dela, João Trindade, aposta em produtos originais. Uma de suas criações “infalíveis” é o “afasta chifre”, uma poção capaz “de acabar com o fluxo de corno na sua casa”. “Claro que não vai resolver chifres passados, é daqui pra frente”, alerta. Assim que criou a receita – que guarda a sete chaves – João distribuiu um vidro para cada colega do setor de ervas do Ver-o-peso. “E todo mundo aqui aprovou, tirando um que nem quis testar. Já sabe o que aconteceu com ele, né?”
O mercado Ver-o-Peso foi inaugurado oficialmente em 1901. No século XVIII, o local era usado pelos portugueses como posto de fiscalização de entrada de mercadorias na capitania, então chamado de Casa de Haver o Peso. “Existem registros da presença das erveiras desde o início, é um dos setores mais tradicionais do mercado”, explica a antropóloga Dorotéa de Lima. Para ela, as erveiras são responsáveis por aproximar a população urbana das tradições da amazônia. “E não é só a venda do produto, elas oferecem uma consulta, conversam muito com os clientes”.
Nas barracas 3, 4 e 5 e Miraci Trindade, outra filha de Dona Isabel, nos dá as boas vindas. “Bom dia meu bem, o que você precisa?”. Se depender dela, a tradição da família no Ver-o-peso não acaba tão cedo. “Hoje nossos filhos e sobrinhos estão aprendendo as receitas também”, diz orgulhosa. Miraci lembra com saudade da época em que a Natura assinou um contrato de repartição de benefícios dos produtos da marca feitos com priprioca, cumaru e breu branco. “Eles vieram aqui, deram curso pra gente e ensinaram como vender, como guardar o produto, foi maravilhoso”. Em 2006, a empresa reconheceu o setor de ervas do Ver-o-peso como provedor de conhecimento sobre as ervas e firmou contrato com a associação, que já não existe mais.
Para Miraci, a ganância fez com que a parceria com a Natura rendesse poucos frutos. “Não viram como um investimento a longo prazo, eles queriam dinheiro na hora”, diz referindo-se a colegas que não ficaram satisfeitos apenas com os cursos oferecidos pela gigante dos cosméticos. Miraci, pelo contrário, tratou de se aprimorar quando teve a oportunidade. Hoje organiza a sua barraca de acordo com os padrões ensinados por profissionais da Anvisa trazidos pela Natura na época da parceria. “Não dá pra misturar tudo. Então em uma barraca eu coloco só remédio, na outra produtos místicos e nesta aqui ervas e chás”.
O carro chefe de Miraci é a chamada “pomada reumatosa” que serve para artrite, artrose, dores musculares, dores na coluna, inchaço. Os produtos são manipulados na casa dela, onde construiu um espaço só para isso. “Com o tempo você vai estudando e descobrindo novas receitas. E também aprendendo o que pode ou não ser misturado”. Miraci explica que um dos maiores erros dos erveiros pouco experientes são as misturas que acabam anulando princípios ativos. “Tem erva que anula o princípio ativo da outra, tem que tomar cuidado na hora de misturar”.

Apesar do sucesso dos remédios, como o xarope para bronquite feito pelo marido de Miraci que curou o filho do casal e virou produto, a feirante acredita que a concorrência com redes de mercados e farmácia está diminuindo o fluxo de clientes no setor de ervas. “O nosso produto é muito bom, mas ali no mercado a pessoa tem a facilidade de dividir em várias vezes”. Já Dona Isabel vê a crise econômica como grande vilã para a baixa nas vendas. “O pessoal está economizando agora, mas já já voltam pra cá”. Nem por isso pensam em deixar o mercado, onde chegam, todos os dias, às 6h da manhã. “Isso aqui é a minha vida, a minha terapia, não troco por nada”.
Yahoo Finanças/Sacoemaca

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

História do Arquivo da Marinha - 21AGO a 29SET2017

Prédio centenário da Marinha com relíquias e exposições, incluindo “O Poder Naval na Formação do Brasil”.
Endereço: R. Dom Manuel, 15 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, 20010-090
Telefone: (21) 2524-9360
DIRETORIA DE PATRIMÔNIO HISTÓRICO E DOCUMENTAÇÃO DA MARINHA
História do Arquivo da Marinha
– O Arquivo da Marinha apresentará no período de 21AGO2017 a 29SET2017 a história do Arquivo por meio de fotos. O objetivo é divulgar os 110 anos de criação do Arquivo desde a sua incorporação à área cultural, que já reunia a Biblioteca e o Museu da Marinha, dando origem à Diretoria da Biblioteca, Museu e Arquivo da Marinha, conforme o Decreto n° 6.510, de 11 de junho de 1907. Hoje, o Arquivo possui em seu acervo, documentos que datam do século XVIII aos dias atuais, cabendo ressaltar os Fundos documentais “Personalidades”, composto por documentos pessoais de militares e autoridades que mais se destacaram na MB; “Obras Raras”, com documentos únicos e inéditos; e os Fundos, constituídos por documentos que registram as atividades administrativas da Marinha, legislação, assentamentos do pessoal, além de documentos em suportes especiais como fotografias, gravuras, microfilmes, CD, DVD e fitas de vídeo, todos com relevância histórica. Responsável pela guarda e preservação dos documentos da Marinha, possui um acervo com mais de 30 milhões de registros, sendo responsável, ainda, pelo acompanhamento e implementação da política nacional de arquivos no âmbito da Instituição, constituindo-se em uma das mais importantes fontes de pesquisa do País. 
O Arquivo está situado na Praça Barão de Ladário s/n, Ilha das Cobras, Centro, Rio de Janeiro/RJ. 
Horário de Funcionamento: 8h30 às 16h. 
Telefones: (21) 2104-5517/2104-5488. 
RETELMA: 8110-5488.Email: dphdm.arquivo@marinha.mil.br.
Nota do BONO Nº 634 DE 18 DE AGOSTO DE 201

Novo CLANF - CFN

Conheça o Novo CLANF.
Corpo de Fuzileiros Navais sempre ativo...!
ADSUMUS!

Rock brasileiro completa 28 anos sem Raul

O "Pai do Rock Brasileiro" estourou em 1973, lançou 21 discos e ganhou quatro discos de ouro.

O baiano Raul Seixas, "Pai do Rock Brasileiro", morreu no dia 21 de agosto de 1989. Ao longo de 26 anos de carreira, Raul lançou 21 discos, ganhando quatro discos de ouro. Ele estourou em 1973 com o LP "Krig-ha, Bandolo!", que trouxe as famosíssimas "Ouro de Tolo" e "Metamorfose Ambulante". Pouca gente sabe, mas Raul foi lançado por Jerry Adriani.
A Música do Dia é “Tu és o MDC da minha vida”.
Clique AQUI  para escutar a música
Produção e apresentação - Luiz Cláudio Canuto

20 de agosto - DIA DO MAÇOM

Saudamos o grande dia...
Parabéns para todos dessa respeitada sociedade discreta e reservada... 20 de agosto.
ADSUMUS!

sábado, 19 de agosto de 2017

Veteranos FNs Visitam o Sul da Bahia


Atualizada em 19/AGO/9h40min

Virtude de nossa próxima excursão para Curitiba e Foz do Iguaçu na segunda quinzena de setembro/2017, vale a pena ver de novo... 
Delegacia da Capitania dos Portos de Porto Seguro
     Por Lucio Lucena
    Em continuidade ao nosso trabalho de divulgação da Associação de Veteranos do Corpo de Fuzileiros Navais – AVCFN, no dia 23 de março próximo passado, partiu da cidade do Rio de Janeiro uma comitiva de Veteranos da AVCFN e da Associação Esportiva Saco e Maca – AESM (o popular Saco Mucho) composta de 33 pessoas, entre Associados e familiares, a fim de participar de um Campeonato de ALIADO na cidade de Canavieiras/BA e fazer uma visita a Costa do Descobrimento do Brasil (cidade de Porto Seguro) no Sul da Bahia. Chegando em Canavieiras, juntou-se a comitiva, mais três casais, dois vieram de Salvador/BA e um de Itapemirim/ES, completando assim 39 participantes.
     Na cidade de Canavieiras, o Anfitrião foi o Mestre Jaime, o qual nos recepcionou em seu Sítio “Santa Sofia” localizado na Ilha de Atalaia, com um apetitoso churrasco no dia 24/MAR, onde ocorreu o Campeonato de Aliado, sagrando-se campeão a dupla de Veteranos Lisboa e Edmilson, da Confraria de Aliado daquela cidade, e vice-campeão os Veteranos Neves e Dias da AESM. No dia 25 foi a vez do prazeroso passeio de barco, oferecido pelo Mestre Jaime, e em seguida, um TUR pela bela cidade Canavieiras, quando paramos frente a Prefeitura Municipal para uma foto com a faixa de nossa estimada AVCFN.
     Já em Porto Seguro, iniciamos nossa programação no dia 27/MAR, com uma visita ao Centro Histórico, no dia 28 fomos recepcionados na Delegacia da Capitania dos Portos daquela cidade, pelo Delegado Capitão de Corveta (T) André Teixeira e o Ajudante Capitão de Corveta Danilo. Após a recepção aos Veteranos, o Comandante André Teixeira nos conduziu para o auditório, onde proferiu uma palestra sobre todos os aspectos da Delegacia, em seguida, fizemos uma visitação guiada às instalações da Unidade, logo após foi servido um delicioso Coquetel, e, por fim, a entrega de lembranças pelas partes, Delegacia e Comitiva, seguida de uma foto com a faixa da AVCFN e os tradicionais HURRAS. 
    No dia seguinte 29/MAR estava programado um passeio de escuna para a comitiva, mas, infelizmente, devido ao mal tempo, foi cancelado. Virtude do cancelamento do passeio, foi improvisado um delicioso churrasco nas dependências da Pousada Navegantes, onde estávamos hospedados.
 No dia 30 apesar do tempo chuvoso, fizemos um passeio pelas cidades e praias de Trancoso e Arraial da Ajuda, dando assim por encerrado nossa programação naquela aconchegante Cidade Turística do Descobrimento.
     No dia 31/MAR, pernoitamos na cidade de Guarapari/ES e no dia 1 de abril, foi a vez de uma agradável visita guiada ao Alambique da Cachaça do Gerente, localizado na Via Costeira a 26 km da cidade, dando assim por encerrada nossa programação da inesquecível Excursão.
     Deixo aqui registrado os agradecimentos, em nome de toda comitiva, ao Veterano Jaime pela calorosa recepção naquela aconchegante cidade litorânea do Sul da Bahia, CANAVIEIRAS, assim como ao Delegado da Delegacia da Capitania dos Portos de Porto Seguro, Comandante André Teixeira e seu Ajudante Comandante Danilo, pela fidalguia dedicada a comitiva de Veteranos por ocasião de nossa visita àquela delegacia e durante toda nossa permanência na abençoada Costa do descobrimento. Não podia deixar de agradecer, também, a Empresa de Transportes Única, na pessoa do Senhor Rogério, pelo apoio dedicado a nossa estimada AVCFN, bem como aos motoristas Bento e Justen, que nos conduziram aos nossos objetivos de maneira segura e cortês. Ao Senhor Ademar do Alambique da Cachaça do Gerente e ao Dr. Agostinho Lima Novo, nossa gratidão pela recepção e explanação sobre a destilação do precioso líquido genuinamente brasileiro.
     Um agradecimento muito especial a toda comitiva de Veteranos(as) pelo comportamento exemplar peculiar da Família Naval, demostrado do início ao final do nosso inesquecível passeio, assim como a todos que direta, ou indiretamente contribuíram para o sucesso da missão.
    BRAVO ZULU!
    ADSUMUS!
A dupla campeã do Torneio de Aliado, Veteranos Lisboa e Edmilson 
Prefeitura Municipal de Canavieiras

No Cais de Canavieiras, aguardando o barco para o passeio
Parada para cafezinho, próximo a Eunápolis
Primeira noite em Canavieiras, nos restaurantes do Cais
Parada numa ilha para banho e foto
Frente a casa do Mestre Jaime
 
Despedindo do Mestre Jaime em Canavieiras
A seguir, visita a Delegacia da capitania dos Portos de Porto seguro
Comandante Sérgio sendo recepcionado pelo Delegado Cmt André Teixeira 
Cmt Sérgio apresentando os coordenadores Lucena e Manoel
Foto a frente da Delegacia
Comandantes Sérgio e André Teixeira e os coordenadores Lucena e Manoel
Apresentação da tripulação
Foto seguida dos tradicionais HURRAS
Entrega de lembranças da visita pelas partes
Brinde da AVCFN ao Comandante André Teixeira e Comandante Danílo
 Centro de Porto Seguro
A seguir, passeio por Trancoso e Arraial D'Ajuda
Marco Zero no Centro Histórico de Porto Seguro
Vista pro mar no Centro Histórico
As três últimas foram no Alambique da Cachaça do Gerente
Sr. Ademar, proprietário do Alambique, a frete da foto apreciando os HURRAS!