quinta-feira, 21 de abril de 2016

COMO O COMANDANTE VILLAS BÔAS IMPEDIU UM GOLPE DE ESTADO DO PT E DE DILMA

ESPECIAL
- Sem sair um milímetro sequer de suas atribuições funcionais as Forças Armadas abortaram o golpe do Estado de Defesa e impediram a geração de um clima de pré-Guerra Civil.

No dia 23 de março deste ano o senador Ronaldo Caiado, do Democratas de Goiás, vinha a público com uma notícia bombástica. Dilma estaria pensando em decretar Estado de Defesa. A notícia foi recebida basicamente de duas maneiras nas redes sociais. De um lado, alguns acusavam o senador de estar criando alarmismo de maneira desnecessária. Já outros, especialmente extremistas de direita e defensores da intervenção militar, chamavam o Comandante do Exército, General Villas Bôas de covarde, traidor, carreirista e mais um monte de outros xingamentos. Ato contínuo, o senador Aécio Neves, do PSDB, tratou de deixar claro que Caiado não estava blefando. O petismo realmente tinha planos golpistas.

Este Sul Connection esteve em Brasília no domingo do impeachment e passou toda a segunda-feira por lá. E então apuramos os desdobramentos das denúncias de Caiado e Aécio e o papel que Villas Bôas e os militares desempenharam durante a crise. Antes de prosseguirmos, faça-se justiça: sem fugir um único milímetro de suas atribuições funcionais, sem conspirar e respeitando rigorosamente a Constituição, o Comandante do Exército, liderando as Forças Armadas, foi um verdadeiro herói da jovem democracia brasileira. Se um dia o leitor desta reportagem encontrar Villas Bôas por aí, bata continência e palmas para o nosso comandante. Ele merece.

Segundo o que apuramos, tanto Caiado quanto Aécio foram informados pelo próprio Comando do Exército da manobra que se preparava intra-muros no Palácio do Planalto. Foram informados justamente para que colocassem a boca no trombone e esvaziassem politicamente qualquer tentativa neste sentido. Ato contínuo, Villas Bôas chamou à Brasília os comandantes das quatro regiões militares e realizou uma reunião de emergência do Alto Comando. Ele explicou o que se passava e pediu apoio aos seus comandados para ir até o governo e informar que as Forças Armadas brasileiras não aceitariam qualquer ordem que considerassem absurda.

Villas Bôas teve o apoio de seus comandados. E juntos, fardados, foram todos falar com o Ministro da Defesa, o comunista Aldo Rebelo. Aldo foi informado de que o Regimento Militar era muito claro. Ordem absurda não se cumpre. E mais. É dever de todo militar dar voz de prisão a quem ousa expedir qualquer tipo de ordem absurda. Recado mais claro, impossível.

Aldo foi à Dilma e informou que não haveria qualquer apoio para o Estado de Defesa.

Após abortarem os planos de Dilma, os militares ainda promoveram dois almoços no Comando do Exército em Brasília, tendo Villas Bôas como anfitrião. Um com o senador Ronaldo Caiado. E outro com o senador Aécio Neves. Ambos foram orientados a entrarem pela porta da frente do Comando, sem qualquer medida para ocultar a reunião. O recado foi claro: ninguém estava conspirando e nem fazendo nada de ilegal. Não havia motivo para se esconder. Igualmente claro foi o recado compreendido pelo governo: as Forças Armadas brasileiras não adeririam a qualquer tipo de golpismo.

Este Sul Connection fez questão de registrar como o impeachment pôde chegar ao seu fim de forma pacífica e serena, sem qualquer golpismo, em respeito à história e à biografia de Villas Bôas. Injustamente atacado nas redes sociais, o general manteve a serenidade e nunca demonstrou qualquer disposição para bater boca com fanáticos de qualquer viés. Cumpriu sua missão militar e institucional. Ajudou a preservar nossa jovem democracia e as nossas instituições. Merece todo o nosso reconhecimento.

Do Blog:
Sempre que alguém me perguntava da possibilidade de uma intervenção militar, minha resposta sempre foi: Um dia a Presidente vai dar alguma ORDEM ABSURDA e as FFAA não vão cumprir! A partir desse momento, o bicho vai pegar... Parece até que sou vidente, ou que já sabia de alguma coisa!!!
Parabéns para atuação dos Comandantes Militares, em especial para o Gen Villas Bôas, por esta iniciativa.
Parece até a Contra-Revolução de 31 de Março, Não foi disparado um tiro se quer...!
ADSUMUS!

3 comentários:

Mario Brito disse...

Não há nenhuma foto deste almoço com os senadores e Villas Boas para provar isto? E porque os senadores não comentaram NADA sobre isso? Queria acreditar que isso era verdade

CLÃ DOS ANJOS disse...

SIM VERDADE MESMO , TODOS BRASILEIROS TEM UM GRANDE SENTIMENTO DE RESPEITO E SOLIDARIEDADE COM NOSSO GRANDE GENERAL, ELE COLOCOU SEU GARGO A PROVA PARA MOSTRAR A TODOS OS BRASILEIROS QUE A CIMA DE TUDO ELE AMA A PÁTRIA E TODO POVO BRASILEIRO . ELE NÃO SE INTIMIDOU A AMEAÇAS A SUA CARREIRA, ELE TEVE A CORAGEM DE ENFRENTAR ESSES POLÍTICOS CORRUPTOS E DIZER O QUE O POVO BRASILEIRO ESTA FARTO DE TANTA CORRUPÇÃO,ELE DEU O EXEMPLO PARA QUE TODOS BRASILEIROS TIVESSEM ORGULHO DE SER BRASILEIRO,

GENERAL MOURÃO O ORGULHO NACIONAL.
GENERAL MOURÃO NOS DEU O ORGULHO DE SER BRASILEIRO .
JAMAIS SERÁ ESQUECIDO............

Alcir G. Silva disse...

Fica difícil acreditar no General Villas Boas,quando sabe-se que já declarou de público que a revolução de 1964 " foi um erro "quando se sabe que se não fosse as FFAA fazer a intervenção militar,hoje, nós brasileiros e seu território seriamos o quintal de Cuba,haja vista que os que estão hoje no poder eram os assaltantes,sequestradores e justiceiros que queriam implantar o comunismo. Parece que há um programa para informar até mesmo dentro da FFAA que o país passa por uma democracia. Se eu fosse um oficial general,com certeza não estaria servindo um governo que odeia os militares por razões óbvia. Pesquise as pessoas que dos tempos da contrarevoluçao de 1964 assistiram o que os que hoje estão no poder político faziam? dizer que a revolução de 1964 Foi um Erro,essa pessoa não merece de minha parte nenhuma confiança.