segunda-feira, 28 de julho de 2014

O TEMPO, A HISTÓRIA E A DÚVIDA - PARTE II

          Segue a segunda parte da matéria do Veterano e Escritor Espedito Moreira (Colunista do nosso Blog e do Site da AVCFN).
         Nota de esclarecimento: o conteúdo dos textos  não são recorrentes – a primeira parte foi com religião e a segunda, com “quem sabe mais” . Ambas são fatos históricos e tem apenas finalidade “recreativa”.
        Participe, faça seu comentário!
O TEMPO, A HISTÓRIA E A DÚVIDA
Espedito Moreira de Mello*
II
Aqueles que estudaram, pelos menos um pouco a História do Brasil, aprenderam que foi Pedro Álvares Cabral quem descobriu (achou/encontrou) o Brasil no ano de 1500. Somando mais alguns detalhes, isso teria ocorrido no dia 22 de abril daquele ano, depois de navegar durante 43 dias, partindo de Lisboa no dia 9 de março, comandando uma frota de treze navios (caravelas). Conta a história que o objetivo da missão era chegar à Índia, onde seriam mantidas negociações para a fixação de uma estrutura para servir de apoio a transações comerciais. Durante a viagem, teria havido um acidente de percurso por falta de ventos, levando a frota a se desviar da rota previamente traçada. Em consequência disso, chegaram até as terras ainda desconhecidas.
Sem fazer elucubrações, tais como: a) se Pedro Álvares Cabral era militar, comandante da frota, ou apenas chefe da missão; b) se o descobrimento ocorrera mesmo por acaso, pela alegada calmaria – foi um afastamento muito longo – visto que, por acordos firmados entre Portugal e Espanha, estava prevista a existência de terras para esses lados; c) por fim, após as formalidades de posse da nova terra, chamada de Ilha de Vera Cruz, a frota parte do ponto onde estava fundeada, seguindo rota traçada, em linha reta, até o objetivo predefinido originalmente.
 A sequência de fatos mencionados a seguir formulará o objeto da dúvida que o leitor poderá ajudar a esclarecer:
I) em 1500, quando a nova terra foi descoberta, ela foi chamada de “Ilha de Vera Cruz” porque se acreditava ser uma ilha a terra encontrada. Verificado o engano, mudaram para “Terra de Santa Cruz” e, mais tarde, “Brasil”;
II) em 1534, depois de identificado todo o território descoberto, o rei de Portugal dividiu-o em grandes lotes (inicialmente 15), depois denominados “capitanias hereditárias”, e alugou-os (doou-os) a gente da nobreza,  mediante determinada recompensa pecuniária;
III) em 1549, o rei de Portugal nomeou o primeiro governador-geral para a colônia, seguindo-se várias outras nomeações para o mesmo cargo, mudando apenas o título do ocupante. Ora era governador-geral, ora era vice-rei,  situação que durou até a mudança da família real de Portugal para o Brasil;
IV) em 1808, a família real e toda a corte portuguesa se transferem para o Brasil. Chegando aqui, D. João, então príncipe regente, tomou várias decisões político-administrativas para facilitar a sua administração, sendo uma delas a elevação do Brasil à categoria de “Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves”, daí surgindo um novo ente político-administrativo no cenário mundial;
V) em 1822, o Brasil se torna independente de Portugal.
Eis a dúvida.
Observando-se as datas citadas e os fatos registrados, sem levar em consideração os dias e os meses, quantos anos o leitor acha que tem o País hoje, em 2014?
Escolha a opção a seguir e justifique.
a)      514;
b)      465;
c)      206;
d)     192;
e)      Nenhuma dessas.
Eu não sou dono da verdade, mas já fiz a minha escolha e vou justificá-la. Mas só no próximo “episódio”. Se o leitor escolher a mesma opção que eu, justificando sua decisão, vou concordar total ou parcialmente. Contudo, prometo explicitar o meu ponto de vista particular sobre a questão.
Até a próxima, isto é, se este texto for publicado.


*Veterano, escritor, membro da União Brasileira de Escritores (UBE-RN)
Por Lucio Lucena Diretor de Comunicação da AVCFN e Editor do blog.

2 comentários:

Júlio Maffra disse...

Prezados amigos,
na minha singela opinião, o Brasil passou a ser Brasil somente após a chegada da Família Real, ou seja, somente após 1808... foi de lá para cá que tudo mudou para o nosso país, portanto, o nosso país pode-se considerar com 206 anos de existência (a mesma idade do CFN)...
Interessante comentar que o Brasil só começou a mudar para melhor após os Reis (comandantes, governantes) sentirem na pele, vivenciarem as situações, as reais necessidades de se ter estrutura em um povo. Que bom seria se atualmente nossos governantes tivessem as mesmas vivências dos nossos antepassados, ou seja, que nossos governantes vivenciassem as longas filas de esperas do SUS, a precariedade da saúde pública, da educação e da segurança, SEM MAQUIAGENS,sem precisarem internarem-se em um Hospital Sírio Libanês da vida... ou seja, realmente enfrentando a realidade do povo brasileiro... acredito que muita coisa iria melhorar... sugiro aqui que nossos políticos e governantes passem a fazer parte de um quadro na vida pública: o quadro SENTINDO NA PELE.
Grande abraço a todos.
ADSUMUS!

Júlio Maffra disse...

Prezados amigos,
na minha singela opinião, o Brasil passou a ser Brasil somente após a chegada da Família Real, ou seja, somente após 1808... foi de lá para cá que tudo mudou para o nosso país, portanto, o nosso país pode-se considerar com 206 anos de existência (a mesma idade do CFN)...
Interessante comentar que o Brasil só começou a mudar para melhor após os Reis (comandantes, governantes) sentirem na pele, vivenciarem as situações, as reais necessidades de se ter estrutura em um povo. Que bom seria se atualmente nossos governantes tivessem as mesmas vivências dos nossos antepassados, ou seja, que nossos governantes vivenciassem as longas filas de esperas do SUS, a precariedade da saúde pública, da educação e da segurança, SEM MAQUIAGENS,sem precisarem internarem-se em um Hospital Sírio Libanês da vida... ou seja, realmente enfrentando a realidade do povo brasileiro... acredito que muita coisa iria melhorar... sugiro aqui que nossos políticos e governantes passem a fazer parte de um quadro na vida pública: o quadro SENTINDO NA PELE.
Grande abraço a todos.
ADSUMUS!